ATENDIMENTO
(27) 3434-2050
8h30 às 12h e 13h30 às 18h
ÁREA RESTRITA AOS ASSOCIADOS
CNPJ:     Senha: 
Esqueci a senha     
Fale Conosco    
início
O Sinduscon-ES Serviços Informações Comissões CUB Eventos e Treinamentos Cartão do Associado
Informações
• Calendário de Feriados
• Campanha de Doação de Sangue
• Censo Imobiliário
• Convenções Coletivas
• Dados Setoriais
• Download
• Indicadores Financeiros
• Licitações Encerradas
• Links Úteis
• Notícias da Imprensa
• Notícias do Sinduscon-ES
• Salários
• Sinduscon-ES Informa
• Sinduscon-ES Jurídico
Empresas do Espírito Santo ganham o mundo
30.04.2018   A Gazeta
Notícia - Imprensa
A busca por novos mercados, custos mais baixos e menos burocracia na hora de montar um negócio têm feito com que muitas empresas capixabas escolham o exterior para expandirem suas marcas.

Estados Unidos, Itália, Espanha, Portugal e China são alguns dos países que vêm recebendo investimentos de empreendedores do Espírito Santo. A ampliação para além das fronteiras nacionais acontece em diversos setores, como alimentação, rochas ornamentais, revestimentos e construção civil.

A superintendente do Centro Brasileiro dos Exportadores de Rochas Ornamentais (Centrorochas), Olivia Tirello, cita que embora não sejam numerosos, há casos de empresas capixabas do setor de mármore e granito que decidiram apostar suas fichas também lá fora. “Tem empresários com depósitos na Itália e nos Estados Unidos e outros que investiram em fábricas, como na Espanha.”

Olivia pondera que entre as vantagens dessa expansão estão maior simplificação e rapidez no processo de abertura de um negócio e o estreitamento com o mercado por meio de uma relação mais próxima com o consumidor. Ela frisa ainda que a internacionalização amplia a segurança do mercado naquela marca.

“Demonstra que a empresa tem maturidade. Ninguém que é amador, comercialmente falando, vai se instalar no exterior. Então, se a empresa se colocou no mercado internacional e fez investimentos é porque ela tem maturidade. Companhias nessa situação, geralmente, são aquelas que estão na ponta”, avalia.

Atuando no mercado capixaba desde 1981, o grupo Composé é uma das empresas capixabas que ganhou o mundo. O diretor Carlos Marianelli conta que a rede está nos Estados Unidos desde 2012 e que tem planos de expansão para outros Estados americanos.

INTERFERÊNCIA
Por enquanto, são 20 funcionários e duas empresas no país. Uma delas é voltada para o mercado de distribuição, que atende aos lojistas locais com revestimentos e porcelanatos e outros produtos trazidos do Brasil, da China, da Espanha e da Itália. Para Marianelli, empreender fora do Brasil é mais fácil. “Pois o Estado interfere muito menos nas empresas, que têm mais liberdade de trabalhar a relação com clientes e colaboradores.”

Atuando há cerca 30 anos no mercado do Espírito Santo, a Galwan Construtora e Incorporadora não limitou seus negócios ao Estado e ao Brasil. Com o mercado interno desaquecido, especialmente depois das Olimpíadas de 2016 e com a crise que enfraqueceu diversos segmentos da economia, a companhia, juntamente com um grupo de investidores, adquiriu um terreno para a construção de um hotel em Brieckel, bairro nobre de Miami.

A expectativa do presidente da Galwan, José Luís Galvêas, é de que no segundo semestre deste ano sejam iniciadas as obras e o hotel, com 43 pavimentos e quase 500 apartamentos, fique pronto dentro de 30 meses. “A Galwan está sempre buscando novas oportunidades, sejam elas no Espírito Santo, em outros Estados brasileiros ou fora do país. O que é fundamental é ser um negócio rentável, com segurança e baixo risco para as pessoas que confiam na gente.”

Ampliar a relação com o exterior também é a meta da empresária Cristina Pascoli Tongo. Ela, que é criadora e diretora da Café Caramello – empresa da área de alimentos –, conta que hoje já exporta seus produtos para países como Alemanha, Portugal, Tunísia e Coreia do Sul, mas que devido aos custos elevados de transporte, ela planeja montar, no segundo semestre deste ano, uma minifábrica em Portugal.

“Como o frete para a exportação é muito caro, e o nosso produto, por ser alimento, exige muitos cuidados, tive a ideia de colocar fábrica para funcionar lá fora, algo pequeno, mas que atende o mercado externo. Planejamos o piloto para Portugal, e um segundo local seria a Coreia do Sul. Assim, à medida que essa inserção der certo, vamos avançando para outros países.”

Para a prosperidade do negócio, que hoje produz 28 mil potes por mês de creme de café na fábrica da Serra, Cristina afirma que um dos pontos fundamentais é manter o padrão do produto. Para isso, todo o insumo para fabricar as mercadorias no exterior virá do Brasil.
Compartilhar:


 
SINDUSCON-ES - Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Espírito Santo
Av. Nossa Senhora da Penha, 1830, 3º andar
Barro Vermelho - Vitória - ES - CEP 29057-565
(27) 3434-2050

8h30 às 12h e 13h30 às 18h