ATENDIMENTO
(27) 3434-2050
8h30 às 12h e 13h30 às 18h
ÁREA RESTRITA AOS ASSOCIADOS
CNPJ:     Senha: 
Esqueci a senha     
Fale Conosco    
início
O Sinduscon-ES Serviços Informações Comissões CUB Eventos e Treinamentos Cartão do Associado
Informações
• Calendário de Feriados
• Campanha de Doação de Sangue
• Censo Imobiliário
• Convenções Coletivas
• Documentos Relações Trabalhistas
• Dados Setoriais
• Download
• Indicadores Financeiros
• Licitações Encerradas
• Links Úteis
• Notícias da Imprensa
• Notícias do Sinduscon-ES
• Salários
• Sinduscon-ES Informa
• Sinduscon-ES Jurídico
Obras públicas na berlinda
05.06.2018   A Gazeta
Notícia - Imprensa
O segmento de obras públicas está chegando a uma situação limite. Nos últimos 30 anos estamos descendo ladeira abaixo na contramão de todas as boas práticas de gestão, planejamento, orçamento e entregas à sociedade. Nesse cenário devastador não existe o bandido e o mocinho. Embora, alguns ainda acreditam que a culpa seja exclusivamente da empresa contratada.

Grosso modo, podemos dizer que está tudo errado e que todos somos responsáveis. Os problemas estão presentes desde a forma como as obras são planejadas e licitadas, passando pela fiscalização, até o excesso de legislação em vigor.

Dentre os obstáculos que dificultam que as obras contratadas sejam bem realizadas, está a falta de qualidade dos projetos. Ainda não faz parte da cultura dos governos pensar a longo prazo. Com isso, inexiste no país um estoque de projetos. Assim, com um planejamento ineficiente e dados incompatíveis, as obras começam.

Enquanto a indústria da construção trabalha com novas tecnologias e plataformas digitais, como BIM, as obras públicas brasileiras ainda trabalham com planilhas defasadas, projetos sem convergência e materiais ultrapassados.

Estudos mostram que um projeto completo de arquitetura e de engenharia, contratado corretamente, tem custo médio de 5% do investimento global em empreendimento público, mas evita superfaturamentos e aditivos que podem alcançar até dezenas de vezes o economizado nesse item essencial a uma obra pública de qualidade.

Logística, solução técnica, planejamento, prazo e valor, dentre outros itens, devem ser estudados antes de uma licitação ser feita e da obra ter início. Hoje, temos milhares de obras públicas paradas. E nenhuma é concluída sem aditivo. Por que isso ocorre? Nós, do setor produtivo, queremos trazer essa discussão à tona. Precisamos dar transparência a esse assunto. Precisamos definir quais são os verdadeiros problemas que impedem que as obras públicas sejam entregues no prazo e ao custo correto.

No entanto, para que isso ocorra, precisamos unificar e pacificar os entendimentos e visões em torno do problema. Tanto o poder público, responsável pela contratação, bem como o setor produtivo e os órgãos de controle, precisam se unir para construir uma relação de confiança e transparência na busca por soluções que venham a transformar esse cenário. O preço pago por todos nós, contribuintes, é muito alto e não alcança o retorno esperado. É hora de começarmos a escrever um novo capítulo na história das obras públicas brasileiras.

Paulo Baraona é presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-ES)
Compartilhar:
Anexo:  A Gazeta [ download .jpg ]

 
SINDUSCON-ES - Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Espírito Santo
Av. Nossa Senhora da Penha, 1830, 3º andar
Barro Vermelho - Vitória - ES - CEP 29057-565
(27) 3434-2050

8h30 às 12h e 13h30 às 18h