ATENDIMENTO
(27) 3434-2050
8h30 às 12h e 13h15 às 18h
ÁREA RESTRITA AOS ASSOCIADOS
CNPJ:     Senha: 
Esqueci a senha     
 
início
O Sinduscon-ES Serviços Informações Comissões CUB Eventos e Treinamentos
Fale Conosco
Informações
• Calendário de Feriados
• Campanha de Doação de Sangue
• Censo Imobiliário
• Convenções Coletivas
• Dados Setoriais
• Download
• Indicadores Financeiros
• Licitações Encerradas
• Links Úteis
• Notícias da Imprensa
• Notícias do Sinduscon-ES
• Salários
• Sinduscon-ES Informa
• Sinduscon-ES Jurídico
Cidade no papel: 60 projetos engavetados em Vitória
08.10.2017   Gazetaonline
Notícia - Imprensa
Se alguns projetos que foram planejados para Vitória, nos últimos 20 anos, tivessem sido postos em prática, viveríamos em uma cidade muito diferente. Teríamos um centro olímpico, elevadores para subir os morros e várias alternativas para burlar o trânsito que diariamente complica a vida da população, como metrô de superfície, pontes, túneis, mergulhões, viadutos e até marinas públicas, para quem optasse por barcos.

Sem contar as possibilidades de lazer, como teleféricos, restaurantes panorâmicos nos morros e píeres de Camburi, polos turísticos em ilhas, museus variados, bondes ou belos calçadões em orlas que percorreriam quase toda a ilha. O Centro já estaria revitalizado, com fachadas históricas recuperadas, sem a fiação aparente que as ofusca. E as praias poderiam estar menos poluídas, já que o saneamento seria municipalizado.

Se você gostou desta cidade, saiba que ela um dia existiu, mas só no papel. Foi o que constatou levantamento realizado por A GAZETA, em arquivo de reportagens publicadas nas últimas duas décadas.

VIRTUAL
Neste período identificamos pelo menos 60 projetos lançados pelas seis últimas administrações municipais, alguns até com apoio dos governos estaduais à época, e que nunca foram nem mesmo iniciados. “Juntos compõem uma cidade virtual”, resume o arquiteto e mestre em Urbanismo, com pós-graduação em Políticas Públicas e em Gestão Ambiental Antonio Chalhub.

Ele próprio participou da elaboração de alguns deles, como é o caso dos túneis. “Que começamos a projetar na década de 80”, lembra. Além dos restaurantes panorâmicos nos píeres de Camburi, incluídos no projeto de reurbanização da praia. “Se uma parcela destes projetos tivesse sido realizada ao longo dos últimos 20 anos, teríamos sim uma outra Vitória”, destaca.

Chegou-se até a utilizar recursos públicos na execução de projetos executivos, plantas, maquetes e até vídeos que os tornavam quase reais. Para outros foram feitos convênios, lançados editais ou tiveram leis aprovadas. E teve ainda os que foram incluídos no planejamento estratégico da cidade, em orçamentos municipais e tiveram até verbas federais prometidas. “Há os que eram viáveis no momento de sua criação. Mas também teve os factóides, obras anunciadas e que não eram necessárias naquele momento”, avalia o arquiteto e urbanista André Abe.

Outro destaque apontado pelo levantamento realizado pela reportagem é que muitas dessas ideias eram recuperadas de administrações anteriores, com uma roupagem nova. É o caso do teleférico e dos túneis – projetos dos anos 80 –, a municipalização do saneamento, a orla noroeste ou a urbanização dos canais.

LENDAS
Com o passar dos anos, seja pelo custo, dificuldade de execução e articulação política ou por terem ficado no papel, alguns se transformaram em lendas urbanas: histórias fabulosas, amplamente divulgadas, um tipo de folclore moderno. Já imaginou um túnel cortando o maciço central de Vitória – a cadeia de montanhas da cidade – para garantir acesso entre as avenidas Serafim Derenzi e a Fernando Ferrari? E um outro, passando por baixo do Morro de Monte Belo – aquele da Faesa –, criando um acesso da Avenida César Hilal até Avenida Vitória, na altura da Fábrica de Ideias?

Para Abe, as cidades precisam ter um estoque de propostas para o futuro, como um laboratório de ideias. “Mas em alguns casos é preciso avançar, realizar estudos para verificar o grau de viabilidade”, pondera.

Chalhub vai ainda mais longe ao destacar que, pior do que os projetos que não saíram do papel, são obras não concluídas ou que estão sendo subutilizadas. “É o caso da Fábrica das Ideias, do Tancredão, do Sambão do Povo. Eles não se viabilizam e geram um alto custo de manutenção para o município”, assinala.

Na avaliação dele, precisamos estar atentos aos interesses da cidade, à aprovação de projetos que não sejam somente para um mandato, que atendam às demandas da população e que sejam viáveis. “O que precisamos é fazer com que a cidade real saia do papel”.

Confira reportagem completa


 
SINDUSCON-ES - Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Espírito Santo
Av. Nossa Senhora da Penha, 1830, 3º andar
Barro Vermelho - Vitória - ES - CEP 29057-565
(27) 3434-2050

8h30 às 12h e 13h15 às 18h